Sábado, 22 de Julho de 2017 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 19/05/2017 às 11h15
Observação da normalidade


RODRIGO ROMERO

A atriz parisiense Isabelle Huppert, 54 anos recém-completados, concorreu ao Oscar 2017 pelo filme ‘Elle’ (2016). Não é propriamente uma obra europeia. Ao contrário. Pelas suas características, com o tom taciturno, quase esbarrado no noir, mas sem as fumaças dos cigarros, pode-se dizer que se trata de um thriller de suspense, com alta carga dramática e empolgante.

O diretor é Paul Verhoeven. Este holandês comandou, por exemplo ‘Robocop’ (1987), ‘Instinto Selvagem’ (1992), e ‘Tropas Estelares’ (1997), e estava meio sumido do show de Hollywood. ‘Elle’ o fez por o pescoço para fora d’água, após alguns anos com a batuta virada a obras de qualidade duvidável.

Em ‘Elle’ Isabelle é Michele, diretora de uma empresa de videogames. A fita já começa com a personagem sendo estuprada em sua própria casa, vítima de um desconhecido coberto por uma máscara. Sem se abalar, a jovem senhora segue as suas atividades, como se nada tivesse ocorrido. Aos poucos, conta o crime a amigos. Por que você não denunciou?, questionam. Michele não sabe dizer. A vida dela é levada com mão de ferro, e a frieza dá a medida de seu cotidiano.

Por trás da mise en scène, a figura de Michele destoa do lugar-comum. Só se cerca de pessoas que a odeiam, por exemplo. Isso vai desde os adolescentes funcionários da loja, e passa por vizinhos e parentes próximos. Se personalidade complicada, possui traumas de infância, e neles a figura do pai é presente.

Verhoeven soube usar bem a classe e a delicadeza de Isabelle. Toda a elegância da atriz salta aos olhos na telona e desta forma ‘Elle’ fica mais balanceado. No tempero, os demais artistas do cast se saem bem, muito por conta do bom roteiro escrito por David Birke. Foi só a primeira vez em que Isabelle esteve entre as finalistas da maior festa do cinema.

E mesmo com sua derrota (a vencedora foi Emma Stone pelo modorrento ‘La la Land’) o episódio valeu para provar que existe vida fora dos blockbusters americanos. ‘Elle’ é violento, precisa ser. É provocativo, precisa ser. Aliás, o título desta coluna pegou emprestada uma frase de Verhoeven sobre a película. É na mosca. O resultado que temos é o conjunto de seres potencialmente ‘anormais’ que, no todo, é isso mesmo.

Publicidade
Compartilhe

Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

22 JUL
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Logos e Certificações: