Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 02/06/2017 às 15h31
Superação real


RODRIGO ROMERO

Um filme passou meio batido pelo cenário brasileiro nestes primeiros meses do ano. É ‘Loving’, cujo lançamento foi ano passado, no Festival de Cannes. Trata-se de mais um produto americano sobre os negros e a batalha pelo fim do racismo nas décadas de 1950 e 1960.

Neste caso, é a história real entre o casal Richard (Joel Edgerton) e Mildred Loving (Ruth Negga), interracial – ele branco, ela negra – que são presos em junho de 1958 por terem se casado. Jogados na prisão e exilados do estado onde viviam, lutam pelo matrimônio e o direito de voltar para casa como uma família. Confesso a vocês a minha ignorância sobre Edgerton e Negga, indicada ao Oscar de melhor atriz, além do jovem diretor Jeff Nichols, de 38 anos. A fita não compromete em nenhum aspecto.

Regular, sóbria e discreta, tece sob o roteiro, também escrito por Nichols, ares de folhetim cor-de-rosa. Não fosse por ser a história real, talvez passasse distante pelo excesso de sofrimento e as lágrimas. Em ‘Loving’, a esfera racial se acha subitamente por debaixo dos panos. As atuações dos dois protagonistas dão ao longa qualidades autênticas de que uma boa direção ocorre naqueles instantes.

A fotografia pálida ajuda na construção do blocked, por exemplo. Neste, a religião passa longe e é bom que seja assim. Nichols maneja bastante bem as dificuldades de impor o silêncio ao espectador. São alguns momentos em que o único ruído a se escutar é o da respiração dos personagens. É mais ou menos como escrevi há duas semanas: teatro filmado, principalmente quando o time é bom e o público sente o entrosamento.

Tanto Negga como Edgerton estão em sintonia com o diretor Nichols. ‘Loving’ veio junto com ‘Um Limite entre Nós’, ‘A 13ª Emenda’ e ‘Eu não Sou seu Negro’, estes dois últimos documentários acerca do preconceito racial e as lutas para se combater tal excrecência. ‘Loving’, é claro, não foi exibido nos grandes centros, nem tampouco pelo Vale do Paraíba. A internet é um lugar onde tem a disponibilizada desta obra, seja por meio de serviços de demanda, como em download.

É um longa-metragem que vale a pena ser visto a se compreender parte da história dos Estados Unidos, que ainda reflete um pouco em torno da Terra.

Publicidade
Compartilhe

Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

21 AGO
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Logos e Certificações: