Domingo, 23 de Abril de 2017 | você está em »principal»Notícias»Geral
Publicado em 07/03/2017 às 15h26
Quatro em cada dez desempregados têm recorrido a conhecidos para pagar contas

A Redação / Assessoria de imprensa
Ilustração
Três em cada dez desempregados estão com o ‘nome sujo’ na praça, diz pesquisa

A forte retração que atingiu os setores de indústria, comércio e serviços em razão da crise econômica fez com que milhões de brasileiros perdessem seus empregos, afetando o consumo das famílias e desafiando os brasileiros a manter em dia as despesas do cotidiano. Levantamento conduzido pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revela que os desempregados têm recorrido a trabalhos temporários e freelancers (37%, principalmente homens, 47%), ajuda financeira de amigos ou familiares (37%, com destaque para mulheres, 42%) e seguro-desemprego (10%) para honrar seus compromissos. Entre os bicos feitos pelos entrevistados, os mais comuns são serviços gerais (18%, principalmente homens, 28%), revenda de produtos (15%, sobretudo mulheres, 24%) e serviços de beleza (11%, também com destaque às mulheres, 21%).

Os trabalhos temporários que têm frequência definida são realizados entre três e quatro vezes por semana, em média, mas 46% dos freelancers disseram não ter regularidade. Para 56% dos desempregados que estão realizando trabalhos informais, está difícil de conseguir até mesmo este tipo de serviço. Somente 6% dizem que está sendo fácil arrumar bicos.

Além disso, o estudo apurou que 73% dos entrevistados tiveram queda no padrão de vida devido ao desemprego e somente 8% mantiveram o mesmo padrão sem nenhum aperto financeiro, sobretudo entre as classes A e B (20%). Em média, 39% dos entrevistados disseram conseguir manter o mesmo padrão de vida de quando estavam empregados por até três meses, sendo que 15% deles não conseguem nem mesmo por um mês.

Para Roque Pellizzaro Junior, presidente do SPC Brasil, novas formas de contratação devem ser discutidas para estimular o retorno desses desempregados ao mercado de trabalho e regularizar trabalhos informais. “Um país sem emprego é um país fragilizado, sem forças para reagir. É necessário que modelos de contratação alternativos sejam discutidos por lideranças políticas, empresários e sociedade civil com o fim de criar novos postos de trabalho”, avalia.

Oito em cada dez desempregados
não possuem reserva financeira

O brasileiro, de um modo geral, não tem o costume de guardar dinheiro para imprevistos, conforme revelou novo indicador de reserva financeira do SPC Brasil e CNDL, e a situação entre os desempregados é ainda pior: oito em cada dez (79%) afirmam não possuir reserva financeira, poupança ou investimento, com destaque para as classes C, D e E (80%). Entre os que possuem reservas (18%), 68% não sabem ao certo qual valor tem disponível. Já entre os que sabem (32%), a média é de R$ 4.971. Os principais motivos para guardar dinheiro são imprevistos de desemprego (39%), doença ou morte (31%) e garantir um futuro melhor para a família (19%).

Segundo o educador financeiro do SPC Brasil e do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli, o brasileiro precisa adquirir o hábito de guardar dinheiro para ter um suporte no caso de acontecer algum imprevisto. “É importante que, durante uma situação de conforto, a pessoa cultive o hábito de guardar uma quantia que seja proporcional à sua realidade. Em momentos de necessidade, como a crise que estamos vivendo, essa reserva pode fazer toda a diferença”, explica.

Apesar do desemprego, 65% dos entrevistados não gastam além do que o orçamento permite; três em cada dez estão com nome sujo.
Sete em cada dez desempregados (71%) disseram também que tiveram sonhos interrompidos devido ao desemprego, com aquisição de carro (16%), reforma da casa (15%) e aquisição de imóvel (12%) sendo os principais.

Metodologia
A pesquisa buscou traçar o perfil do desempregado brasileiro e o impacto no processo de recolocação profissional no mercado. O ponto de partida foi a definição do que vem a ser uma pessoa considerada desempregada. Mediante os critérios adotados, se o indivíduo está trabalhando ou não tem interesse e/ou condições de trabalhar no momento, ou mesmo se está se organizando para montar o próprio negócio e por isso não procura emprego, não foi elegível para responder à pesquisa. Por outro lado, se está procurando emprego, ou recorrendo a formas alternativas de renda enquanto não encontra uma vaga, ou ainda, se não está em busca de emprego porque procurou por muito tempo, sem sucesso, e está aguardando para ver se surge alguma oportunidade, então foi elegível para responder à pesquisa.

Foram entrevistados pessoalmente 600 brasileiros desempregados acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais nas 27 capitais. A margem de erro geral é de 4,0 pontos percentuais para um intervalo de confiança a 95%.

Acesse a pesquisa na íntegra e a metodologia em: https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/pesquisas.

Publicidade
Compartilhe

Relacionadas
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

23 ABR
Publicidade
Notícias

Blogs
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Logos e Certificações: